JANEIRO: Novos casos de sarampo são registrados no CE

Como a Capital possui mais casos da doença, a Prefeitura de Fortaleza mobilizou equipes de agentes para vacinar a população de diversas áreas da cidade onde foram registrados casos de sarampo
(FOTO: JOSÉ LEOMAR)
Apesar das recentes campanhas de vacinação, o sarampo termina janeiro com novos casos. Segundo o último boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), 29 novos registros foram confirmados em janeiro e outros 52 casos estão em investigação.

No Ceará, a Capital registrou a maior quantidade de casos. Desde 2013 até o momento, 327 pessoas tiveram a doença confirmada, além de outros 30 pacientes serem suspeitos de estarem infeccionados com sarampo. A incidência é de 13,1 ocorrências por cada 100 mil habitantes.

De acordo com o coordenador da Vigilância Epide-miológica do município, Antônio Lima, a maioria dos casos segue pulverizada em bairros das Regionais II, V, VI. "Ainda encontramos casos em bairros como o Jangurussu e o Barroso, na Regional VI; no Grande Bom Jardim, na Regional V, e no Vicente Pinzón e Cais do Porto, na Regional II. Contudo, estamos realizando varreduras para que nenhuma criança fique sem imunização, especialmente na faixa etária de 6 meses a 1 ano, que pelo calendário antigo não recebia a vacina tríplice viral".

Além de Fortaleza, os municípios cearenses com mais casos de sarampo são Massapê (127), Sobral (83), Uruburetama (61), Caucaia (19) e Forquilha (19).

Os principais sintomas da doença são febre, exantema (manchas vermelhas pelo corpo), conjuntivite e tosse. Três destes sintomas agregados sinalizam o sarampo.

Prevenção

No intuito de combater o surto de sarampo que atinge a capital cearense, a Prefeitura de Fortaleza mobilizou agentes de saúde nas áreas da cidade acometidas pela doença, fazendo visitas para vacinar a população.

A última sexta-feira foi o dia de "varredura" - termo que caracteriza a visita em todos os domicílios de uma região - no Quintino Cunha (Regional III).

Seis agentes de saúde percorreram logradouros na área, batendo de porta em porta, chamando a população para mostrar as carteiras de vacinação das crianças, com o objetivo de ver se a imunização estava em dia.

A situação encontrada em cada residência era anotada e encaminhada à unidade de saúde que assiste à região. Com os dados em mãos, a equipe do posto agenda outra mobilização, desta vez para o "monitoramento", quando irão a campo, além dos agentes de saúde, enfermeiro e auxiliar de enfermagem, para visitar as casas em que foi constatada a falta de imunização, com o intuito de aplicar as vacinas.

Bloqueio

Quando um caso suspeito é identificado pelas equipes de saúde, é feito o "bloqueio", que consiste na vacinação de todas as pessoas que têm contato direto com o paciente. Conforme a articuladora de Atenção Primária da Regional III, Luciana de Albuquerque, a meta é vacinar 5.200 crianças de até 5 anos na área. Até agora, 33 casos foram confirmados na região, e outros dois estão em investigação.

Ainda de acordo com Luciana, a aplicação do antígeno só deve ser feita a partir dos 6 meses de idade. Nos casos de bebês mais novos, é a mãe que deve ser vacinada, para que a imunidade seja transmitida pela amamentação.

Segundo a coordenadora de Imunizações do Município, Vanessa Soldatelli, o calendário regular de vacinação estipula que a imunização contra o sarampo deve ser feita em duas doses: a primeira com 1 ano de idade, e a segunda, com 1 ano e 3 meses. Por causa do surto na cidade, crianças a partir dos seis meses também devem tomar o antígeno, totalizando três aplicações.

"Pode ocorrer de pessoas que só tomaram uma dose ficarem doentes, por causa de uma falha primária, que só é corrigida quando se toma a segunda dose. Por isso a importância do reforço", salienta Vanessa.

Fonte: Diário do Nordeste


                                                                        Apoio