VALE DO JAGUARIBE: Velha Jaguaribara ressurge com a seca do Castanhão

Ruas calçamentadas e escombros de casas já são visíveis misturados a objetos
FOTO: BRUNO GOMES
Cada nova baixa de águas do Castanhão é uma apreensão que ecoa. Além de não chover, parece que o céu está pegando de volta o que despejou. De fato, está. A evaporação só não é mais responsável do que o próprio consumo, seja para indústria, agricultura ou uso doméstico. Tem muita água no maior açude do Ceará. Tem tanta água que é quase metade de toda a reserva do Estado. Mas nunca teve tão pouco desde que encheu em 18 dias o que, diziam, levaria dez anos.

Chegou a 97% em 2009, com mais de 6 bilhões de metros cúbicos. Ontem, registrou 24% da capacidade, ou 1,6 bilhão de metros cúbicos. É um terço do que apresentava em janeiro de 2014. A população que viu suas terras sumirem aguadas presencia o fenômeno do mar revirando sertão.

Do poste ao pote

O quarto ano seguido de seca (é o prognóstico mais provável) é o terceiro em que os escombros da velha Jaguaribara se pronunciam. Primeiro foram os postes, as caixas d'água, os apontamentos de vida nas áreas de morro. Hoje, o que se vê é o pote de barro, o que sobrou do fogão, as estradas em paralelepípedo e todos os tijolos com que foi feita uma casa. A zona urbana da cidade vista a olho nu e seco. Centenas de hectares de terras desafundadas revelam que o Castanhão passou por ali. Nelas, o que ainda chega é o ronco das pequenas ondas batendo na alvenaria dia e noite.

Durante a construção do açude Castanhão, a população inteira de Jaguaribara foi realocada para terras altas. Uma nova cidade, totalmente projetada, foi inaugurada em 25 de setembro de 2001. Para muitos moradores, até hoje, a casa não é onde vivem, mas viveram.

Para quem é da velha Jaguaribara, o Castanhão é um baú de memórias em que se navega. A identidade estava afundada com os tijolos que hoje reaparecem. Almerinda Nogueira, de 62 anos, era lavadeira. Hoje se define "dona-de-casa-solitária". Explica: "morava na beira do Jaguaribe. Mais de 30 anos na mesma casinha. Trouxeram a gente pra cá porque era para resolver o problema da seca. E o que a gente vê agora? Uns com sede e outros com saudade. A vida lá era muito melhor".

"A falta d'água seria um problema maior sem o Castanhão", afirma o engenheiro Ulisses Maia, do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs). Vem desse açude parte da água que abastece a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e os projetos do Dnocs no Vale do Jaguaribe, como os perímetros irrigados Jaguaribe-Apodi e Tabuleiros de Russas.

Abertura de comportas

Entre os anos de 2007 e 2010, os meses de fevereiro e março eram de expectativa para um evento que durava até uma semana: a abertura de comportas do Castanhão. São doze, das quais ao menos duas faziam a alegria de centenas de espectadores a presenciar o "véu de noiva" que se forma com a passagem de água. A liberação era feita para o reservatório não transbordar, pois também significaria água demais em regiões como a que rodeia o município vizinho de Jaguaretama.

A liberação das comportas jogava até um milhão de litros por segundo na calha do Rio Jaguaribe, que corria mais veloz até chegar a Fortim, onde finalmente deságua no mar.

Na semana passada, moradores reunidos em movimentos como o de atingidos por barragens fizeram protesto por água. Pediam urgência na construção de uma adutora de engate rápido que abasteça a cidade, que não recebe uma gota de água do açude Castanhão, atualmente 18 km distante. A solução apontada pelo governo Estadual é o aproveitamento de uma adutora desativada em Canindé, no Sertão Central, porque o açude que fornecia água já está seco.

"O Castanhão deixou de ser aliado pra não ser praticamente nada", afirma Venâncio Lima, agricultor em Jaguaretama. Perdeu todo o plantio. "E as horas do quintal. Tem mais nada. Plantar perto do Castanhão só consegue se for empresário em perímetro irrigado, porque é quem ainda tá recebendo água. Pra agricultor familiar não tem não".

Níveis

O Ceará está com apenas 19,5% da capacidade de reserva, ou 3,6 bilhões de metros cúbicos de água. Pelo menos 127 açudes estão com menos de 30% da capacidade de reserva, conforme o portal hidrológico da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Mas o dado é mais dramático, pois cerca de 120 desses açudes não tem mais de 10% de "fôlego".

Mais informações
Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh)
Rua Adualdo Batista, 1550
Parque Iracema, Fortaleza
Telefone: (85) 3218-7020

Diário do Nordeste