DENÚNCIA: Loja em Sobral vende estojo supostamente destinado à rede municipal

O brasão de Itanhaém foi descoberto por um cliente da loja, ao descosturar o emblema do personagem infantil.
(Foto:WELLINGTON MACEDO)
Um morador de Sobral descobriu, ao comprar um estojo verde em uma loja do município, que o objeto em questão seria parte do material escolar possivelmente distribuído pela rede pública de ensino de Itanhaém, localizado na região da Baixada Santista do estado de São Paulo.

Ao comprar o estojo, o guarda civil José Ari Carvalho resolveu retirar emblema do personagem infantil Ben 10, que estava costurado ao objeto. Foi quando percebeu que a figura cobria o brasão da Prefeitura de Itanhaém. José Ari gravou um vídeo expondo a situação e o publicou em seu perfil na rede social no último dia 28.

Com a repercussão alcançada pelo vídeo, o Secretário de Trânsito e Segurança de Itanhaém, Sílvio César Oliveira, desembarcou em Sobral para averiguar a situação na última segunda-feira, dia 2, e comprou todo o estoque de produtos similares da loja.

Foram recolhidas 294 unidades de estojos com etiquetas do Ben 10 e bandeiras do Brasil que, de acordo com o gerente do estabelecimento, Francisco Mauro Gomes, teriam sido adquiridas de uma grande distribuidora de Fortaleza. A princípio, 400 estojos haviam sido adquiridos, mas os demais já foram vendidos.

Suspeita  

Por meio de rede social, o prefeito de Itanhaém, Marco Aurélio, garantiu que os estojos escolares distribuídos pela Prefeitura desde 2013 são azuis, portanto, diferentes dos que estavam à venda em Sobral. O prefeito levantou ainda a suspeita de que se trataria de um crime contra o município de Itanhaém e prometeu tomar as medidas judiciais cabíveis tão logo o caso fosse esclarecido. A postagem foi seguida de comentários em apoio ao Prefeito.

José Ari Carvalho alega que o vídeo foi gravado motivado pelo sentimento de indignação sobre o suposto desvio do material. "Não conhecia esse município até descosturar o estojo. Não é meu interesse prejudicar ninguém. Quando eu vi o brasão de Itanhaém no estojo, fiquei revoltado, pois eu também tenho uma filha estudando na rede municipal aqui de Sobral e se isso acontecesse com o material daqui, eu teria ficado com muita raiva", comenta o guarda civil.

Caso anterior

A cidade de Itanhaém já foi cenário de uma outra polêmica envolvendo o material escolar distribuído pela Prefeitura. Em 2013, o Ministério Público de São Paulo abriu inquérito civil público para apurar o caso de mochilas que possuíam o brasão da cidade costurados sobrepondo o símbolo da Prefeitura de São Luís (MA). O caso ainda está em investigação.


Fonte: Diário do Nordeste