TAF investe em aviação regional e início será em Sobral

Além de um novo voo já confirmado ligando Fortaleza a Sobral, a empresa também terá voos para outros locais
Aos poucos, o Ceará, as belezas naturais, as belas praias e as riquezas do Interior do Estado vão ficando mais perto ou de acesso mais fácil e rápido para os cearenses e para os turistas que visitam as terras alencarinas. Nos próximos 60 dias, a TAF (Transportes Aéreos Fortaleza) - empresa pioneira na aviação de fretamento no Nordeste - vai lançar um voo regular e diário, ida e volta, para Sobral, na região Norte, reascendendo novas perspectivas para o fortalecimento da aviação regional.

Com horários já definidos, o novo voo da TAF partirá de Fortaleza para Sobral, diariamente, às 7 horas, retornando às 8h30, em avião turbo-hélice Cessna Caravan, com capacidade para nove passageiros.

A passagem, ida e volta, custará em torno de R$ 540,00, mais taxas aeroviárias. Essa aeronave é a mesma utilizada nas rotas turísticas do Caribe, tem velocidade de cruzeiro de 300 quilômetros por hora e autonomia de voo de seis horas.

De acordo com o empresário e comandante da TAF, João Ariston Pessoa de Araújo Filho, a oferta inicial será de 540 passagens mensais, número que poderá dobrar para 1.080 assentos mensais, após seis meses do início da operação, de acordo com a demanda.

Além do transporte de passageiros, a aérea vai oferecer também, o serviço de envio de encomendas expressas e cargas pequenas, com pesos de até 250 quilos, por voo.

Novas rotas

De acordo com Ariston Filho, Sobral é apenas o primeiro de vários destinos no Interior cearense para onde a TAF pretende realizar voos regulares e diários. Nos planos da companhia estão Iguatu, no Centro Sul, São Benedito, na Serra da Ibiapaba e, no futuro próximo, Jericoacoara, através do Aeroporto Internacional de Cruz, no litoral Norte, Crateús e Tauá, no sertão central, todas cidades que já dispõem de aeroportos regionais, mas ainda pouco explorados por falta de uma política maior de apoio à aviação regional. 

Para cobrir os novos destinos, duas aeronaves Cessna Caravan serão utilizadas. "A TAF está pronta tecnicamente para operar. Estamos aguardando apenas a aprovação da MP (Medida Provisória) nº 652, para viabilizar economicamente a operação", declarou Ariston Filho. Em tramitação no Congresso Nacional, desde julho de 2014, a MP 652 cria o Programa de Desenvolvimento da Avião Regional (PDAR), o qual restabelece as condições jurídicas, fiscais e econômicas para que empresas aéreas de pequeno e médio portes possam realizar voos regionais regulares.

"Estamos nos preparando para realizar voos regionais desde o anúncio do lançamento da MP 652. E hoje, estamos capacitados e preparados tecnicamente, falta só aprovar (o início do programa)", explicou Ariston Filho, ressaltando que, "independentemente da aprovação da MP, vamos iniciar a rota de Sobral, em até 60 dias".

Outros voos

Ele observa no entanto, que a TAF não se preparou para operar apenas para a Princesa do Norte e que aguarda apenas a criação oficial do PDAR para ampliar as rotas para o Interior cearense e alçar "voos mais altos". De acordo com ele, a aprovação do programa será fundamental para dinamizar a aviação regional, o que irá facilitar o acesso da população a regiões com potencial turístico, promover maior integração entre comunidades mais distantes das capitais e sem os serviços da aviação civil doméstica, além de potencializar o turismo em todo o País.

Subvenção econômica

Para Ariston Filho, a criação do PDAR é essencial para o setor porque autoriza a União, o Poder Executivo a conceder subvenções econômicas às pequenas aéreas regionais.

No artigo 4º da Medida Provisória 652, estão previstos, por exemplos, pagamentos às empresas dos custos relativos às tarifas aeroportuárias e de navegação aérea, de custos correspondentes ao adicional de tarifa aeroportuária e até de parte dos custos dos voos, desde que em rotas regionais.

Os recursos para pagamento das subvenções econômicas são oriundos do Fundo Nacional de Aviação Civil, alocados no orçamento da União.




Repórter Carlos Eugênio
Fonte: Diário do Nordeste