EMPOSSADO: Temer garante manter programas sociais e encerra discurso com "amém"

Segundo Temer, seu desejo é tirar o País de sua "pior" crise econômica
Após ser notificado e empossado como presidente interino em exercício, Michel Temer (PMDB) apresentou e deu posse à sua equipe ministerial, no Palácio do Planalto, nesta quinta-feira, 12.

Este foi o primeiro pronunciamento oficial do peemedebista. A cerimônia foi iniciada por volta das 17h30min e encerrada às 18h17min. "Tenho certeza que esse entusiasmo deriva da convivência que tivemos ao longo do tempo", diz Temer ao cumprimentar os ministros.

Além de garantir que manterá programas sociais, como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida, o presidente interino em exercício recomendou que "empresários dos setores industriais, serviços de agronegócio, trabalhadores, enfim, todas as áreas produtivas se entusiasmem e retomem segurança com seus investimentos".

Segundo Temer, seu desejo é "tirar" o País de sua "pior" crise econômica, aumentando o número de empregos - seu maior objetivo -, o bem estar da população, em busca pelo equilíbrio das contas públicas. "É urgente pacificar a nação e unificar o Brasil. É urgente fazermos o governo de salvação nacional", frisa.

Para o presidente interino em exercício, serão adotadas políticas adequadas para, ao longo do tempo, o Brasil "voltar ao patamar de sustentabilidade". Para isto, ele diz, existem recursos abundantes nos mercados interno e internacional. "Precisamos atingir a democracia da eficiência dos serviços públicos e privados", ressalta.

Conforme Michel Temer, a eliminação de vários ministérios da máquina pública já se configurou como a sua primeira medida para reequilibrar as contas públicas.

O peemedebista ainda elogiou a atuação da Operação Lava Jato, que deverá, segundo ele, ter continuidade plena. "A moral pública será permanentemente buscada pela apuração de desvios, a Lava Jato tornou-se referência".

Durante os últimos minutos de seu discurso, o presidente interino afirmou que "não é momento para celebração, mas para reflexão". Ele declarou seu "respeito institucional" à presidente Dilma Rousseff e defendeu o lema "ordem e progresso", da bandeira brasileira, dizendo que não há momento para melhor representar a frase do que este. De acordo com ele, o ato de governar o Brasil será religioso e encerrou o discurso com "amém".

Confira lista dos ministros empossados:

- Casa Civil: Eliseu Padilha (PMDB/RS)
- Justiça e Cidadania: Alexandre de Moraes (PSDB/SP)
- Defesa: Raul Jungmann (PPS/PE)
- Relações Exteriores: José Serra (PSDB/SP)
- Fazenda: Henrique Meirelles (PSD/SP)
- Portos, Transportes e Aviação Civil: Maurício Quintella (PR/AL)
- Educação e Cultura: Mendonça Filho (DEM/PE)
- Trabalho: Ronaldo Nogueira de Oliveira (PTB/RS)
- Desenvolvimento Social e Agrário: Osmar Terra (PMDB/RS)
- Saúde: Ricardo Barros (PP/SP)
- Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Blairo Maggi (PP/MT)
- Indústria, Comércio e Serviços: Marcio Pereira (PRB/SP)
- Planejamento, Orçamento e Gestão: Romero Jucá (PMDB/RR)
- Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações: Gilberto Kassab (PSD/SP)
- Meio Ambiente: Sarney Filho (PV/MA)
- Secretaria de Governo: Geddel Vieira Lima (PMDB/BA)
- Esporte: Leonardo Picciani (PMDB/RJ)
- Turismo: Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN)
- Integração Nacional: Hélder Barbalho (PMDB/PA)
- Cidades: Bruno Araújo (PSDB/PE)
- Minas e Energia: Fernando Filho (PSB/PE)
- Gabinete de Segurança Institucional: Sérgio Etchegoyen
- AGU: Fábio Medina
- Transparência, Fiscalização e Controle: Fabiano Augusto Martins Silveira.


Redação O POVO Online