Eventos pró Lava-Jato ocorrem em todo o País

No Rio, milhares de pessoas participaram do protesto em Copacabana, contra alteração no projeto que estabelece dez medidas contra a corrupção ( Foto: AFP )
Rio/Brasília/São Paulo. As manifestações a favor da Operação Lava-Jato e contra a corrupção aconteceram ontem de forma pacífica e reuniram milhares de pessoas em todos os 26 estados mais o Distrito Federal.

Até as 20h50 (horário de Brasília), os atos foram registrados em 82 cidades. As maiores manifestações ocorreram em São Paulo e no Rio de Janeiro. Na capital paulista, os atos ocuparam a avenida Paulista e reuniram aproximadamente 15 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, enquanto organizadores estimaram o público em 200 mil pessoas.

Planalto ressalta 'força da democracia

Contestados, Renan e Maia defendem atos

'Os manifestantes que se reuniram na Avenida Paulista, em São Paulo, para protestar contra a corrupção levaram uma faixa para repudiar as mudanças feitas pela Câmara no pacote de medidas anticorrupção elaborado pelo Ministério Público.

A faixa trazia os dizeres "Congresso Corrupto". Além disso, bonecos do ex-presidente Lula e do presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) foram colocados ao lado do caminhão de som do coletivo Nas Ruas.

No Rio de Janeiro, milhares de pessoas participaram ontem do protesto na orla de Copacabana, contra a alteração no projeto de lei que estabelece dez medidas contra a corrupção. Manifestantes carregavam cartazes e faixas de apoio à Operação Lava-Jato, ao juiz Sérgio Moro, ao Ministério Público e à Polícia Federal.

Organizadores chegaram a estimar em 600 mil o número de presentes, enquanto agentes de segurança que acompanham o protesto calcularam a adesão de até 400 mil. Assim, como na maioria das cidades onde os atos foram realizados, figuravam entre os principais alvos dos protestos Renan e o presidente da Câmara, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Os protestos em Brasília tinham um alvo claro: Renan, que se tornou réu na última semana e vai responder à ação penal por peculato. Manifestantes protestaram contra a classe política, focando nos deputados e senadores, mas preservaram o presidente Michel Temer.

Ao som da música "Ideologia", os manifestantes que se classificaram de "cortejo contra a corrupção" desceram o gramado do Congresso para depositar os ratos. Os manifestantes utilizaram o simbolismo, aproveitando o embalo da música, para protestar contra os políticos da Câmara e do Senado.

Em Recife, a manifestação reuniu cerca de 16 mil pessoas, segundo os organizadores. A Polícia Militar não fez estimativas.

Os protestos em Belo Horizonte reuniram, conforme os organizadores, 8 mil pessoas e teve como alvo, além do Congresso, o governador Fernando Pimentel.


Diário do Nordeste