X
Aplicativo MCB Em Questão

Grátis - Na Play Store

Uso do celular na tomada e gambiarras aumentam incêndios e mortes no Brasil .

Em um caso recente, uma sala comercial em Cuiabá foi destruída após celular na tomada pegar fogoImagem: Divulgação/Corpo de Bombeiros do Mato Grosso

Você tem alguma ideia de quantas pessoas já morreram em decorrência de choques e incêndios provocados por falhas durante a recarga do celular? Um estudo recente mostrou que, infelizmente, os acidentes de origem elétrica têm se tornando frequentes no Brasil.
Ao longo de 2018, foram registrados 1.424 casos envolvendo choques, incêndios e descargas elétricas no país, segundo o Anuário Estatístico de Acidentes de Origem Elétrica, divulgado nesta quinta-feira (2).
  • 836 acidentes com choques (59%): 622 não fatais e 214 fatais;
  • 537 incêndios (38%): 475 por sobrecarga/curto-circuito e 61 mortes;
  • 51 ocorreram por conta de raios (3%): 13 descargas elétricas e 38 mortes.
Em relação a 2013, quando os dados começaram a ser contabilizados, os acidentes de origem elétrica aumentaram 37,2%.

Usa o celular na tomada? Evite

O ano passado foi marcado por tragédias ligadas ao uso do celular durante o processo de recarga. Um jovem de 17 anos morreu após levar um choque no momento em que tentava conectar o celular na tomada. Em outro caso, uma bombeira voluntária sofreu queimaduras graves e morreu após um incêndio gerado por um curto-circuito no celular.
As fatalidades acima são apenas algumas das que ganharam as manchetes ao longo de 2018. O levantamento mostra que, no período, 39 acidentes de origem elétrica aconteceram durante a recarga dos celulares, com um total de 23 mortes. Isso vem aumentando: em 2016, apenas um acidente envolvendo o uso do celular foi registrado. No ano seguinte, houve somente dois casos.
Edson Martinho, engenheiro eletricista e diretor executivo da Abracopel (Associação Brasileira de Conscientização dos Peritos de Eletricidade), responsável pelo estudo, explica que alguns dos acidentes foram causados no momento em que o usuário tentou colocar o carregador na tomada ou retirar o acessório dela. Outros ocorreram por uma falha nos dispositivos envolvidos no processo, como cabos, carregadores ou extensões.
E, ao contrário do que muita gente pode achar, os cabos piratas não foram os maiores responsáveis pelos acidentes. Isso porque produtos originais de marcas diferentes da do celular também resultaram em choques e incêndios, segundo a associação.

Casas são os lugares mais perigosos

O levantamento também observou que os ambientes residenciais são os locais com maior risco de acidentes. Só no ano passado foram 209 mortes registradas nas casas das vítimas.
Dos 537 incêndios por sobrecarga/curto-circuito registrados, 252 aconteceram em moradias. Ou seja, quase 50%. A tragédia no Edifício Wilton Paes de Almeida, que completou um ano nesta semana, é um desses casos. Já os acidentes envolvendo choques elétricos em casas chegaram a 168.
Eletricidade não dá para brincar. Prevenir o acidente é o melhor remédio
Edson Martinho, engenheiro eletricista

Recarga é perigosa, mas o ar-condicionado é mais

Um outro dado preocupante observado no estudo está relacionado ao número de acidentes causados por falhas nos equipamentos de ar-condicionado e ventiladores -- 200 incêndios foram originados a partir de falhas nos equipamentos.

Por que tantos acidentes?

Segundo Martinho, a principal causa de tantos números negativos se dá pelo fato de as instalações elétricas das residências serem muito antigas ou malfeitas. Associado a isso, está a imprudência de pessoas que insistem em usar gambiarras elétricas como algo permanente em suas casas.
Sabe aqueles milhares de aparelhos eletrônicos ligados todos juntos em uma única extensão? Apesar de ser algo bem comum, a recomendação é que a prática seja evitada.
O uso de instalações com produtos de má qualidade também é outro fator de risco apontado pelo especialista. "Os profissionais [que cuidam da manutenção das redes elétricas] também estão desatualizados. Alguns nem possuem a formação adequada. O profissional acha que emendar dois fios já resolve e está bom. Isso é grave", acrescentou o engenheiro.
Confira outros destaques do levantamento:
  • Os Estados de São Paulo (65), Bahia (60), Rio Grande do Sul (37), Mato Grosso (27) e Pará (27) foram os que registraram o maior número de acidentes por choque com vítimas fatais em 2018. Só o Nordeste contabilizou 261 fatalidades.
  • Do total de vítimas por choques em todo o Brasil, 304 tinham idades entre 21 e 40 anos. Os acidentes do tipo foram os responsáveis pela morte de 34 crianças com idade entre 0 e 10 anos.
  • Em janeiro deste ano, já foram registrados 155 acidentes de origem elétrica, 90 por choque elétrico e 47 incêndios. As mortes registradas somente no primeiro mês do ano chegaram a 74.
Fonte: Uol