X
Aplicativo MCB Em Questão

Grátis - Na Play Store

O Melhor e mais completo portal de notícias da cidade!

Funcionários do alto escalão de Granjeiro abandonam cargos após assassinato do prefeito

Câmara Municipal de Granjeiro (Divulgação)

Cinco gestores da Prefeitura de Granjeiro abandonaram os cargos, nesta quinta-feira (26), após o assassinato do prefeito, João Gregório Neto, o "João do Povo". O grupo era aliado de "João do Povo". O vice-prefeito, Ticiano Tomé (PSDB), deve assumir a Prefeitura, na próxima segunda-feira (30).

Na lista de demissão estão: o secretário de Administração e Finanças de Granjeiro, Mytchel de Almeida; a secretária de Assistência Social, Naiana Borges, esposa de Mytchel; a procuradora do município, Ana Meire da Costa; chefe do setor de Recursos Humanos, Maria Imaculada Henrique e o presidente do órgão de Licitação, João Lacerda.

Administração

Os funcionários entregaram cartas de demissão coletiva ao presidente da Câmara Municipal, vereador Luiz Márcio Pereira (PMN). Os documentos foram encaminhados ao atual vice-prefeito, Ticiano Tomé, cuja posse no cargo de prefeito está marcada para a próxima segunda-feira, às 8h.

Aliados do ex-prefeito que estão na administração municipal disseram à reportagem do Sistema Verdes Mares que não deverá ter mudanças em secretarias como a de Saúde e de Serviços Públicos, responsável pela coleta de lixo, por exemplo.

João do Povo e Ticiano Tomé haviam rompido após o grupo político do vice fazer denúncias contra o gestor.

Assassinato

João do Povo foi alvo, em 2018, de uma operação da Polícia Federal, que investigava fraudes em licitações. De acordo com as investigações, o prefeito movimentou cerca de R$ 26 milhões em um período de dois anos na conta de um parente, beneficiário da aposentadoria rural.

O prefeito foi assassinado a tiros, na última terça-feira (24), enquanto caminhava próximo à parede do Açude Junco, no município do Cariri. De acordo com testemunhas, um carro aproximou-se do gestor e o suspeito efetuou os disparos. A Polícia Civil investiga o caso e já ouviu, pelo menos, cinco testemunhas.


Diário do Nordeste