NA CAPITAL: Policial militar e mais cinco homens são presos por negociar fuzil americano

Fuzil foi encontrado dentro de um carro envolto em lençol. (FOTO: SARA SOUSA).
Um policial militar e outros cinco homens foram presos com um fuzil de calibre 556, de fabricação americana. O resultado desta operação foi apresentado na tarde desta segunda-feira (24), na Delegacia de Roubos e Furtos (DRF).

A operação foi articulada pelo Departamento de Inteligência da Polícia Civil (DIP) sob o comando do delegado Luiz Carlos Dantas e pelo serviço de inteligência da Polícia Militar com intuito de capturar os envolvidos em negociações de armas de grosso calibre.

As investigações davam conta de que policiais articulavam as negociações. Um dos acusados era Francisco José de Rocha Costa, policial militar que está afastado por problemas de saúde.

O suspeito, que também trabalha como taxista, foi detido na companhia de Raison de Oliveira Santos, que foi apontado durante as investigações como policial civil, mas que já tinha sido preso com documentos falsos se passando por policial. Junto com eles, estava Francisco Pereira Filho, o 'lorinho'. Os três estavam em um bar, no bairro José Walter, na última quarta-feira (19).

No taxi do policial militar Francisco José foi encontrado um fuzil de calibre 556 envolto em um lençol. Após serem interrogados pelo delegado Luiz Carlos Dantas, acabaram confessando que a arma seria entregue a Edvaldo Pereira de Almeida.

Segundo o delegado adjunto da DRF, Eduardo Tomé, ao deter Evaldo Pereira, em depoimento, o suspeito confessou ao policiais a participação nas negociações e disse que recebeu o fuzil de Francisco Geová Oliveira Mata, que é cunhado do ex-detento, Carlos Rafael Maia da Costa, o 'Rafael Mata Sete', que foi morto na penitenciária de Pacatuba, no mês de abril deste ano.

Conforme a Polícia, Evaldo Pereira estaria negociando o armamento que pertencia a Rafael Mata Sete. Supostamente, o destinatário final desta negociação seria o corretor imobiliário Jordão Bezerra de Sousa, mais conhecido como "Dan", que também foi autuado.


Fonte: Diário do Nordeste